Estudante paranaense atravessa a fronteira com seu Fox e volta de lá com projeto personalizado para ninguém botar defeito

Aquele pensamento de que brasileiro só vai para o Paraguai atrás de produto barato, ou de origem duvidosa, não passa de puro preconceito.

Isso porque os nossos vizinhos de fronteira têm muito mais a oferecer do que o senso comum dá a entender.

Foi lá, na terra dos guaranis, que o estudante de Cascavel (PR) Luiz Felipe de Ávila, de 22 anos, se aventurou com seu Fox 2017, recém-adquirido. Entusiasta do tuning, Luiz Felipe encarou uma viagem de pouco mais de 100 quilômetros até a oficina especializada Casatti Chapa y Pintura, localizada em Puerto Presidente, no Paraguai.

O local foi, inclusive, a primeira parada do Fox desde que ele deixou a concessionária. “Quando fui comprar o carro, considerei um modelo que me possibilitasse diversas possibilidades de modificação, pois já tive um Peugeot 307 e sei o quanto é difícil quando o carro não ajuda.

Da concessionária eu fui direto para a Casatti, tirar os planos do papel”, detalha o jovem. O motivo? Ele mesmo explica. “Lá é muito mais fácil para encontrar peças importadas”.

 

Algo diferente

O primeiro item adquirido pelo estudante, antes mesmo do carro, foi o conjunto de rodas. “Eu comprei essa réplica BBS RS, com tala mais larga, e ali começou meu projeto”, recorda.

O visual stance define o estilo visual do projeto, essas rodas, que medem 8” na frente e 10” atrás, rodam envoltas por pneus 195/40 e 205/40, respectivamente.

Luiz Felipe queria “algo diferente” no seu primeiro projeto mais sério de customização, e conseguiu, por intermédio do alisamento de toda a parte externa. Apenas as maçanetas e o logo da VW na traseira permaneceram.

Além disso, novas grades e para-choques, em fibra, foram feitos especialmente para o projeto. Os para-choques, aliás, são 3” mais próximos do solo do que o modelo original.

 

No chão

“Um sistema mais básico, mas bem baixo”, foi isso o que o jovem brasileiro pediu para os especialistas paraguaios, quando questionado sobre a nova suspensão.

Para atender a esta necessidade, foi adotado um sistema de suspensão a ar, da Airlift, independente nas quatro rodas.

De acordo com o proprietário, o sistema da suspensão não utiliza nenhum circuito elétrico do veículo, é integralmente pneumático. O porta-malas abriga os aparatos do conjunto.

 

Detalhes

No interior do Fox, destaque para os novos assentos, modelos esportivos da japonesa Bride. Quem também chama a atenção é um santantônio, adotado apenas para a fixação de cintos de segurança de quatro pontos.

“Não mexi nada na mecânica, quem vê o santantônio pode achar que há uma preparação pesada, mas não é nada disso”, frisa Luiz Felipe.

Para completar, um sistema de áudio integralmente assinado pela MTX fica responsável pelo entretimento a bordo. A marca norte-americana assina alto-falantes internos, subwoofer de 10” e amplificadores.

Utilizado no dia a dia na rotina em Cascavel, e também aos finais de semana e feriados em viagens, especialmente para São Paulo e Santa Catarina, o novo Fox do estudante paranaense está impecavelmente personalizado: um tapa na cara dos incrédulos que não botaram um fé de que, um projeto desta magnitude, veio do nosso querido vizinho, Paraguai.

Quem fez:

Casatti Chapa y Pintura.

Facebook: Casatti Chapa y Pintura

 

Ficha técnica

Volkswagen Fox 2017

 

Parte externa

 

Carroceria alisada

Nova grade dianteira

Novos para-choques

Rodas réplica BBS RS

 

Parte interna

Bancos esportivos Bride

Equipamentos de áudio MTX

 

Mecânica

Suspensão a ar Air Lift

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA