Com preparação exemplar, que beira a perfeição na relação desempenho e economia, este Polo GT promete ser um dos mais rápidos do país

Aideia de possuir um carro com qualquer tipo de modificação no motor, ou de efetuá-la em seu carro original, vai além do pensamento que visa o custo das peças para as tais melhorias.

Além das possíveis quebras após a preparação e será preciso enfrentar os inevitáveis pensamentos preconceituosos daqueles que associam carro preparado com “rachadores”.

No caso do paulistano André de Magalhães Gouveia, analista financeiro de 23 anos, a proximidade com os carros de competição remonta à infância.

“Fui piloto profissional de kart e monoposto dos 11 aos 16 anos. Comecei correndo profissionalmente pelo Campeonato Paulista de Kart e terminei correndo na extinta Fórmula Renault brasileira.

Era a minha vida e o meu sonho, por isso sempre me mantive envolvido com o mundo automobilístico, dentro das pistas”, conta.

Depois de se apaixonar pelo progresso do carro do pai, teve seu primeiro carro, um Polo. Era outro Polo, não este que estampa nesta reportagem.

O motor era um 1.6L, diferente do 2.0L que equipa este GT. Com o tempo, André decidiu turbinar o “milesseis” e o desempenho do carro pulou para 180hp. O gosto por carros turbo surgiu naquela época e André usou o Polo até praticamente “acabar”.

Aprendeu como se acelera um carro sobrealimentado por turbo, os momentos adequados de acelerar forte, e a forma de se poupar os itens da transmissão.

Depois de um bom tempo e de muitos quilômetros rodados – percorridos bem rápidos, por sinal – o kit turbo foi desmontado para a venda do veículo e André trocou seu primeiro brinquedo por um outro Polo, dessa vez um modelo GT, 2011. André jurava que iria manter este original.

Culpa do destino

Com a meta de juntar grana para comprar seu terceiro carro, André insistiu no argumento de que não iria mudar nada neste Polo. Pura ilusão!

Bastaram algumas semanas de uso diário com o carro para que a ideia se tornasse oposta ao que era antes: as modificações começaram singelas, com a retirada do catalisador do escapamento para melhor exaustão dos gases e a instalação de um filtro de ar da marca K&N, para melhorar a admissão do ar e, consequentemente, ganhar valiosos hp’s.

Depois, a aquisição do kit nitro que equipava o Golf GTI de seu pai deu o ar da graça: 60hp seriam adicionados à brincadeira.

A receita “nitro” foi a mais simples possível, montada com praticamente tudo original no motor e o gás do riso para “ocasiões especiais”. Com tudo instalado e acertado pela Illicit Customs, a primeira fase do projeto estava concluída.

Doença sem fim

Por se tratar de um veículo de uso diário, André pretendia ter um carro confiável, durável, rápido, com boa dirigibilidade e que não consumisse muito combustível quando quisesse andar “mansamente” pelas movimentadas ruas de São Paulo, problema comum em carros com motor preparado.

As exigências eram muitas, mas nada que fosse novidade para os preparadores da Illicit Customs, que executaram os upgrades e surpreenderam as expectativas do proprietário do Polo.

A começar pelas modificações no sistema de alimentação: com o módulo gerenciador de injeção eletrônica da FuelTech ficou fácil selecionar a vazão dos novos bicos Ford Racing de 80lbs/h, isso além das tantas outras funções que o módulo reprogramável oferece.

O coletor de admissão original também foi trocado por um de fluxo cruzado, confeccionado em alumínio, original do Bora, que recebeu retrabalho na TBI e agora comporta uma de 60mm.

A bomba de combustível original foi trocada por uma retrabalhada e o sistema agora também utiliza um dosador da SPA Turbo, tudo para controlar a alimentação do brinquedo.

Com a mistura perfeita de ar x combustível, o fôlego agora vem da sobrealimentação, composta pela maldosa turbina da Turbonetics com medidas singelas que impressionam em desempenho: .42/.48!

Pequena e hostil:

Com apenas 1bar de pressão o Polo beirou os 300hp! “O intercooler é nitidamente um fator que ajuda muito no desempenho do carro, principalmente na estrada ou quando exigo muito e por bastante tempo do motor.

Com essa configuração a turbina pega às 3000RPM, fica bem interessante às 4500RPM e termina às 6500RPM”, completa André, que já revelou ter andado com mais pressão de turbo e de ter se apaixonado pela experiência, apesar da WideBand ter acusado falta de combustível acima das 1,3bar.

Outro fator importantíssimo que possibilitou a realização de todas as melhorias foi a troca dos pistões e das bielas originais por modelos forjados da Iasa, que agora estão acomodados no bloco de 2.0L.

Para completar os upgrades, algumas melhorias leves foram feitas na transmissão, como a troca da embreagem original por um modelo desenvolvido pela FF Embreagens, com platô de 1200 libras e disco com quatro pastilhas de cerâmica.

Na suspensão, as novas molas da Red Coil alteraram a altura do veículo e aumentaram a rigidez e a estabilidade do carro nas curvas e retas.

Mas o vício do paulistano por potência parece insaciável e o próximo estágio já está prestes a sair do papel: “O próximo passo será o retrabalho no cabeçote, que até então permaneceu original, e a adição de mais uma bancada com quatro bicos injetores na admissão, que irão permitir que eu eleve a pressão do turbo para 1,4bar sem riscos falta de combustível”.

Dá pra imaginar qual será o último estágio dessa brincadeira? É imprevisível, e talvez nem tenha fim, mas uma coisa é certa: enquanto estiver nas mãos de André, este Polo será cada vez mais rápido!

Quem fez?

Illicit Customs

www.illicitcustoms.com.br

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA