Texto e Fotos: Pedro Lessa

Se já é difícil ver um Nissan 240SX circulando no Brasil, imagine então um exemplar preparado especialmente para competir em provas de drift, com suspensão a ar, turbo e legalizado para rodar pelas ruas sem problemas com a polícia. A ideia do projeto fica ainda mais interessante quando se toma conhecimento de que este Nissan pertence ao diretor da Castor Suspensões, André Luis, que está utilizando o 240SX como cobaia para vários de seus sistemas de suspensão a ar, dentro e fora das pistas. “Iniciamos a preparação deste carro com alguns objetivos em mente. O principal deles era quebrar o mito de que suspensão a ar “não presta” em carros preparados. Já provamos isso em carros com outros propósitos, mas com o drift foi a primeira vez”, explica André, que já levou o Nissan até a pista e deixou que outros pilotos o guiassem para falar suas respectivas impressões. “A grande maioria fica surpresa, pois imagina que vai enfrentar o “bodyroll” exagerado nas curvas, mas logo percebem que o funcionamento da suspensão é mais rígido e preciso, diferente das utilizadas em carros de rua”, conta.

D-Spec

Como afirma Keiichi Tsuchiya, o Drift King, não é a potência do motor que faz um carro de drift ser bom ou ruim, mas sim a distribuição de peso nas curvas e a pilotagem adequada do veículo. Este Nissan não tem números impressionantes de potência e torque: são “apenas” 320hp, suficientes para fazer as rodas traseiras destracionarem com falicidade, afinal, é esse o propósito. E dá-lhe contra-esterço!

O motor é um Nissan SR20 2.0L, equipado com cabeçote DOHC 16 válvulas. Os componentes internos, por incrível que pareça, foram mantidos originais nessa preparação, considerada “leve” pelos preparadores asiáticos. Além da otimização do fluxo, o cabeçote trabalha com maior admissão de ar e combustível, graças ao coletor de admissão retrabalhado. A exaustão também foi melhorada, com a instalação de um coletor de escape tubular, que veio direto do Japão, assim como o intercooler e a pressurização. A sobrealimentação é composta pelo turbo Garrett T28, que trabalha com pouca pressão. Todo o conjunto de ignição e transmissão foi mantido original, com sistema do blocante.

O sistema de suspensão a ar presente no 240SX é composto por um kit que já é comercializado pela Castor Suspensões: mais rígido e desenvolvido especialmente para carros preparados. Vale lembrar que a Castor também faz projetos especiais, podendo até mesmo melhorar o acerto e a configuração de seus kits na própria empresa.

Outro ponto interessante do conjunto de suspensão do Nissan é o sistema Castor Air Control, que permite a regulagem da suspensão a ar por meio de um aplicativo de celular, disponível para aparelhos com sistema Android. A transmissão do celular para o módulo da suspensão é feita pelo Bluetooth e possui as funções de regulagens independentes para cada bolsa.

No cockpit do bólido, bancos Sparco, volante HSM Motorsport e manômetro de turbo Blitz mostram que o brinquedo é feito para acelerar forte. “Além do motivo profissional, sempre tive muita vontade de montar um carro de drift. Estou juntando minha paixão pessoal com a profissional e com isso tenho um incentivo a mais para continuar investindo para melhorar o nosso mercado voltado à alta performance. Queremos oferecer produtos de qualidade semelhante ou superior a que os “gringos” oferecem e estamos lutando por isso”, explica André, que também revelou que logo irá participar de algumas provas regionais de drift para mostrar resultados dentro da pista. Assim que tal fato acontecer, seremos os primeiros a divulgar os vídeos do Nissan acelerando “de lado”.

*Publicado na edição 176

Related Post

DEIXE UMA RESPOSTA