Texto e fotos: Bruno Bocchini

 

É inevitável. Recentemente, o lançamento do aplicativo Pokémon Go no Brasil “mexeu com a cabeça” de crianças, jovens e adultos. Em cada canto, em qualquer cidade, lá estavam pessoas caçando os personagens. Em meu segundo dia com o Nissan Kicks, estacionei o automóvel em um vaga de supermercado e, ao lado, parou um Audi A1. A moça, com seu Iphone de sexta geração e o status de quem consome carro alemão, me disse: “Moço, para tudo que tem um ‘Abra’ aqui do seu lado. Ela capturou o “bicho” depois de oferecer a ele Razz Berry – quase como uma frutinha que encanta o pokémon, um mimo. A ação diante do jogo não a impediu de fazer um comentário sobre o Kicks: “Já está à venda? É bonito mesmo, tinha visto de relance. Adorei o teto laranja”, comentou.

Se o novo SUV da Nissan vai conseguir desbancar os rivais Jeep Renegade e Honda HR-V, não sabemos. Mas é certo que o modelo somou uma fase em que o país viu de perto a Olimpíada e o aguardado lançamento do jogo japonês. Em um período de estreias, o Kicks conseguiu atrair olhares.

Não foi preciso oferecer Razz Berry ao Kicks, uma vez que ele está “na mão” diante do conforto ao dirigir. Isso se deve a alguns fatores importantes: direção elétrica bem calibrada e ótimo raio de giro (o que favorece o motorista em manobras), volante de base reta e excelente empunhadura, que não “despenca” no colo ao ajustar em profundidade e altura como no Sentra, a caprichada ergonomia e os bancos de couro aconchegantes, desenvolvidos em parceria com a Nasa.

E, para mim, esse é o ponto alto do modelo: conforto. As suspensões (independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira) garantem ao carro um rodar extremamente macio e não comprometem a estabilidade.

 

Leia a matéria completa na edição 206 da Revista Car Stereo

Veja Também

DEIXE UMA RESPOSTA