Texto: Vitor Giglio          Fotos: Ricardo Kruppa

Flagrar estes dois modelos lado a lado é uma grata surpresa. No entanto, na década de 1980, a cena era pra lá de comum. Pensando em preservar a história automobilística nacional, somando-se a isso uma notória paixão pelo estilo de customização euro-look, os proprietários do Voyage 1981, e do TL 1972 – ambos modelos nacionais da Volkswagen – trazem nesta edição muita história para contar.

Eles são Gilberto Augusto Ressurreição Junior, o Beto, e Wilson G. Junior, o Fronha, comerciantes paulistanos aficionados por veículos da marca alemã e igualmente adoradores do euro-look.

Voyage

O brinquedo de Beto é o modelo LS 81/82. Ele conta que possui um vasto histórico com modelos da montadora, especialmente Fuscas, mas que chegou a hora de apostar em um carro diferente, e isto explica a escolha pelo Voyage. “O Fusca foi popularizado demais. Mesmo quando falamos de customização, parece que todos os carros ficam sempre iguais. Desta vez eu queria algo bem diferente”, afirma.

img_4315Beto conta que, quando adquiriu o Voyage, o modelo já se encontrava impecavelmente conservado, e que a ele agregou poucos, porém fundamentais, detalhes que o enquadram no euro-look.

Esses itens pontuais aos quais ele se refere são rodas JG6 de 15”, pneus de medidas 155x60x15 e suspensão fixa rebaixada. “Além disso, podemos destacar outros acessórios como farol de milha Cibié da década de 80, lanterna de freio e volante de couro do Gol”, lembra. Para-choque e tapeçaria, bem como a mecânica, permanecem originais.

Beto conta que seguiu à risca os preceitos de uma customização do gênero. “Um euro-look precisa, necessariamente, ser um carro confortável de se guiar, ser rebaixado e manter uma série de acessórios que remetam ao original. Foi o que fiz”, garante.

Ele destaca que outro fator importante quando falamos de euro-look é que se trata de um estilo que não é tão caro quando comparado a outros. “O carro está impecável, do jeito que eu quero. Futuramente vou apenas adicionar uma suspensão a ar para, enfim, dizer que ele está pronto”, finaliza.

TL

Wilson Junior, o Fronha, conta sua história paralela, mas não tão distante assim da contata por Beto. “Meu negócio é carro da Volkswagen a ar. É isso o que realmente me interessa”, afirma.

Seu exótico modelo, um Volks 1600 TL 1972, era um dos mais populares carros do país até a chegada do Passat, em 1974. Ele possui motorização traseira refrigerada a ar e a mesma plataforma mecânica do Fusca da época.

Derivado do Typ 3 alemão, o modelo acumulou boas vendas nos anos 70, sendo que o TL e sua outra versão, a Variant, inclusive superaram seu maior concorrenteimg_4288 à época, a Ford Belina. A chegada do Passat, juntamente ao lançamento da Brasília, acabaram por decretar o fim dos dias para o modelo, em 1976.

Fronha agregou ao TL – adquirido há cerca de um ano – rodas 914 de 15”. “A suspensão foi rebaixada por meio de kit catraca na dianteira e regulagem com facão na traseira”, conta. O restante permanece indubitavelmente original.  “Já tive muitos Fuscas, mas esse, sem dúvida, é um carro que chama muito mais atenção”, completa.

Ambos os modelos possuem placa preta, certificados e vistoriados pelo Fusca Clube do Brasil. Dois exemplos de euro-look genuinamente brasileiros. É de encher os olhos!

*Texto publicado na edição 181 da Car Stereo

DEIXE UMA RESPOSTA